quinta-feira, 4 de abril de 2013

894 - Soneto das ervilhas de Mendel

O que faz a falta do que fazer...

O sujeito enfiado num convento
Entrega à vida sacra, vota e ora.
Tudo lá dentro tem rigorosa hora
E é exigido o rígido cumprimento.

Aí no tempo livre, o divertimento
Do sujeito é ficar do lado de fora
Do convento, na horta que adora
A plantar ervilha, ver nascimento

Delas e ficar colhendo os dados
Das tipos, os lisos ou enrugados
E dedica todo tempo do mundo.

Esse foi Mendel, pai da Genética,
Cuja observação devota e ascética
Mais pareceu coisa de vagabundo.

Francisco Libânio,
04/04/13, 5:49 PM

Postar um comentário