domingo, 28 de abril de 2013

999 - Soneto de noves fora

Arredonda!

O nove nunca serve, seu tanto
Sempre é arredondado pra cima
Já que da dezena se aproxima
E um pouco difere num quanto.

Então, dou ao nove nesse canto
Tributo justo de muita estima
E ainda que tenha pouca rima
Para ele, algumas eu decanto.

Corro atrás de algo para o nove,
A rima que eu soneteie ou trove
E faça os três noves valerem aqui.

Porque na cara de meu milheiro,
Tenho os três iguais por inteiro
E o nove-nove-nove, eu o venci.

Francisco Libânio,
28/04/13, 11:06 AM
Postar um comentário