terça-feira, 9 de abril de 2013

917 - Soneto de rima fraca

Aí a coisa acaba e tudo vira uma merda.

Inspiração demora, mas se ataca,
Põe o poeta, como agora, sapeca
E aí, ele ama, ele goza, ele peca,
Ele agride, ele fica com a macaca!

Depois que a coisa toda aplaca,
Acaba a inspiração, cai a peteca.
Olha-se dentro da mente já seca
E aí, estamos de volta à estaca

Zero. Quando se quer é que a zica
Aparece. Nada que vem frutifica
A inspiração. Um vácuo na cuca!

Lê-se, então o escrito e se coloca
Cada emenda. Tudo ali se invoca!
Culpa dessa minha mente maluca.

Francisco Libânio,
09/04/13, 1:05 PM
Postar um comentário