segunda-feira, 15 de abril de 2013

947 - Soneto erógeno

Cada um, um segredo.

Toca e deixa sentir que a pele
Devagar altera e se transforma.
Há aqui uma novíssima forma
De sentir o corpo e usar dele

Todos os meios. Que degele
A íntima vontade, caia a norma
Que enrijece e mais deforma
A libido e aí que se remodele

Essa pessoa em seus desejos,
Sejam os sentidos benfazejos
E a mão e a boca instrumentos

Do prazer no peito, no sexo,
No toque suave ou complexo,
Transformem-se os momentos.

Francisco Libânio,
15/04/13, 12:33 PM
Postar um comentário