terça-feira, 16 de abril de 2013

952 - Soneto do celular de bêbado

Eu sei que a gente terminou há  dois anos, mas eu te amo.

Sujeito ou sujeita, em alta hora
Da noite, com três doses além
Do aceito, e o sabe muito bem,
Tenta refletir, mas só rememora

Tempos idos e a avassaladora
Saudade, a que a razão retém,
Resolve vir à tona, só que vem
Tropeçando e, caindo, é senhora

Do momento. Liga pra ou pro ex.
Fala tropegamente sem porquês
E desliga. A pessoa ali se acha,

Se sente. Desabafou seu peito.
Logo liga de novo, refaz o feito,
Mas só quando se emborracha.

Francisco Libânio,
16/04/13 4:40 PM
Postar um comentário