sexta-feira, 12 de abril de 2013

933 - Soneto enquadrado

Sonetear, um pouco, é esculpir.

Pega-se um novo soneto e, azado
Seu feitio, colhe e escolhe a dedo
O palavreado e esculpe o enredo.
E este soneto vai sendo formado.

O poeta, com tal lazer prendado,
Ora o faz como se fura rochedo
Atrás de ouro ora qual brinquedo
Trata o feitio de tão acostumado.

Mas uma vez com o papel ferido
Pelo soneto, perde todo sentido
Desistir. Escreva-se, pois, a rodo

Faça-se, então, verdadeiro entrudo,
Pois ou se salva nada ou fica tudo.
O soneto existirá a qualquer modo.

Francisco Libânio,
12/04/13, 5:42 PM
Postar um comentário