quarta-feira, 10 de abril de 2013

925 - Soneto de rima bizarra

E que se foda!

Soltei do verso a última amarra,
O pudor que demais o emperra
Deixei que ele descesse a serra
E meu soneto de mim desgarra.

Escrevo os quartetos na marra,
E, escritos, a metade já soterra
A vergonha que nem mais erra
Por aqui. O baixo calão escarra,

A irreverência mais ainda acirra
Com a fala chula que só de birra
Solta um isolado e sonoro porra.

O soneto a este terceto empurra
A honra de agora encher a burra
E fazer deste soneto uma zorra.

Francisco Libânio,
10/04/13, 5:21 PM
Postar um comentário