sexta-feira, 26 de abril de 2013

993 - Soneto do amor atrasado

Que coisa, não?

O dia vinte e cinco de abril
É dia do amor. Não sabia!
Eu o deixei passar à revelia
E minha vida em nada ruiu

Nem sofri. O amor sumiu?
Não, ele não vai na mania
Do dia específico doentia.
Se era seu dia, ele não viu,

Soube hoje com surpresa.
O amor ama sem ter presa
A mão atrás de aniversário.

Não amou ontem e se dane!
Amará se puder, não atazane
Com pressão o calendário.

Francisco Libânio,
26/04/13, 4:16 PM
Postar um comentário