sexta-feira, 19 de abril de 2013

966 - Soneto do soneto obrigado

Preso e escrevendo.

É que às vezes ponho uma cota,
Digamos quatro sonetos por dia.
Quero sento, mas aí não se alia
A vontade com a ideia. E brota

Nada. Se brota morre, se enxota.
Aperto e sai um com tal agonia
Que resigno: Hoje tem carestia
Admita-se assim, nossa derrota.

Mas não... Ao menos dois sonetos
O dia deve me legar completos.
Peleio. O vazio não me vencerá,

Farei esses sonetos na porrada!
Não sei se ficará bom, mas nada,
Nada, melhor que nada isso será!

Francisco Libânio,
19/04/13, 4:56 PM
Postar um comentário