quinta-feira, 11 de abril de 2013

926 - Soneto de rima mara

Tô até acostumado.

Agrada-me a cama, mas em tal seara
Sou um que dificilmente se recupera.
Sem dominar a tal arte, nessa esfera
A inaptidão aparece, mais, escancara!

Ao ver uma deusa, já me digo tomara!
Vou com minha intenção mais sincera
E vou crente que o ser poeta tempera
Causando na mulher a impressão rara.

Aponto as armas para ela, afino a mira,
Destilo para o escopo o melhor da lira,
Abordo a minha musa com toda ternura.

A ninfa, em seu esplendor, me deu fora.
E aqui achando que a poesia colabora
Enquanto meus olhos, ela mais os fura.

Francisco Libânio,
11/04/13, 10:12 AM
Postar um comentário