domingo, 14 de abril de 2013

945 - Soneto mãozudo

Um típico filho da puta.

Gerald Thomas, numa brincadeira,
Mete a mão boba entre uma perna
E outra da moça e mais consterna
Que brinca. Um ataque de bobeira

Do diretor. Ele explica que é zoeira,
Virilidade, coisa de mente moderna.
Porra nenhuma! Isso é só a eterna
Cabeça machista ainda na esteira

Dos pais e avós. Mulher disponível
Sempre e, mesmo que desça o nível,
Deve gostar e, presta, se submeter.

Meter, devia, era a mão nesse animal
Escroto e nojento e chutar-lhe o pau
Cuspindo o rosto. Aí, ele ia aprender.

Francisco Libânio,
14/04/13, 6:24 PM
Postar um comentário