sexta-feira, 12 de abril de 2013

931 - Soneto nababo

Queria achar um livro meu num desses.

De ser poeta nunca me gabo
E por ser poeta nada recebo.
De cada soneto que concebo
E em cada verso que acabo

Mais emputeço e fico brabo
Porque é aí quando percebo
Que nem em fundo de sebo
Um soneto meu terá o cabo

E o louvor justo. Pois o exibo
A amigos e pouco me inibo
Se acharem imoral ou bobo.

Mais imoral e imoral ao cubo
É o que o cerca. Nem adubo
Se faz e nem por isso esnobo.

Francisco Libânio,
12/04/13, 9:13 AM
Postar um comentário