terça-feira, 2 de abril de 2013

885 - Soneto desconhecido

Então, Carlinhos, como eu faço um soneto legal? Dá uma luz.

Quanto a mim, sonetista anônimo,
Se um soneto recebe alguma graça,
Devo agradecer – e bem – quem a faça.
Um leitor bem agradado é sinônimo

De possível outro leitor. O antônimo
Disso já é igual a qualquer que passa,
Não lê, não quer ler e dá a uma traça
O livro do autor. E nem pseudônimo,

Heterônimo, mesmo um do Pessoa,
Nem obra-prima, mais que seja boa,
Salvarão um sonetista desconhecido.

Assim, faço sonetos a rodo, a granel.
Se de mil gostarem de um, meu papel
De sonetista estará, enfim, cumprido.

Francisco Libânio,
02/04/13, 6:53 PM
Postar um comentário