sexta-feira, 5 de abril de 2013

900 - Soneto novecentista

Grande Mário de Andrade

Ser modernista é renunciar ao soneto?
Mário em vinte e dois até pregou isso,
Mas a maturidade acalmou o rebuliço
De ser moderno e o fez mais completo,

Melhor autor e o, até ali moderno, veto
Ao soneto foi derrubado e nem o viço
De vinte e dois acabou nem o castiço
Rigor à forma fez de Mário o desafeto

Ou inimigo da modernidade. Contrario,
Essa evolução apenas conferiu a Mário
Lugar merecido no panteão da literatura.

Assim pode se ser o pai de Macunaíma
Como se pode limar métrica e fazer rima,
O que tiver valor, simplesmente perdura.

Francisco Libânio,
05/04/13, 6:30 PM
Postar um comentário