terça-feira, 2 de abril de 2013

882 - Soneto ao deus-deu

Aproveita, meu filho, é a ideia da hora. Fresquinha. Agora, se vira.

Ideia, quando aparece assim do nada,
A gente aprecia e trata com a estima
Necessária para que ela se exprima
E traga mais ideias pra essa parada.

Assim, se fica da poesia amasiada,
Vai que brota das duas a obra-prima!
Pois se ela foi presente lá de cima,
Pode apostar que ela é abençoada!

E até aqui a ideia que Deus mandou
Rendeu duas quadras e ainda amarrou
Um terceto que, digo, é convincente.

Mas, se obra prima a ideia não rendeu,
Um soneto a mais, ao menos. Digo eu
Então: À ideia dada não se olha dente.

Francisco Libânio,
02/04/13, 2:28 PM
Postar um comentário