quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Poema de fuga 3

Caeiro dizia que não existem árvores iguais por isso não gostava de rimas, mas as parecidas são rimas. Iguais seriam refrões.

A rima? Desfazer dela?
Mas por quê, tadinha?
Ela não faz mal, é bonitinha,
Não tem nada contra, é do bem,
E ela faltar, tipo, nesse verso
Não dá causa a desmerecê-la.

Francisco Libânio,
21/12/13, 11:25 PM
Postar um comentário