sábado, 14 de dezembro de 2013

1338 - Soneto aos esquecidos

Talvez a receita fique melhor.

Com a cabeça no lugar, mas cadê?
Onde pôs carteira? Onde foi parar
Minha chave? Viu em algum lugar
Meus óculos. Sem eles não se lê,

Sem cabeça, a gente fica a mercê
De alguma lembrança vir a vagar
Dizendo onde talvez possa estar
O que se procura. Veja, pois, você

Que distração é negócio do triste.
Esquece o que se tem ou existe,
Não sabe onde tudo está. É osso!

Aí coça a moringa e aí se recorda
Que essa sua cabeça oca e gorda
Está bem em cima do seu pescoço.

Francisco Libânio,
12/12/13, 9:06 AM
Postar um comentário