sábado, 21 de dezembro de 2013

1351 - Soneto aos ansiosos

E nunca chega, mas nunca sobra unha!

Que espera sempre alcança,
Não duvido do velho ditado,
Mas confesso que cá, parado,
Na acontece e tudo dança.

Dança essa postura mansa
Que o deixa mais enervado,
E coloca o lado zen de lado
Para a inquietude que avança.

Esperar é para um ansioso
Esperar a morte por gostoso
E agradável o que se espera.

Mesmo escrever esse soneto
Anseio por vê-lo por completo
E o fim facinho me desespera.

Francisco Libânio,
17/12/13, 12:00 PM
Postar um comentário