segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

1391 - Soneto aos idílicos

Ah, que maravilha, mas esses mosquitos, vou te contar!

Abandonar a cidade, voltar à natureza,
Curtir dela o frescor sem modernidade,
Sem pressa, sem loucura, a suavidade
Do verde, o sabor de brisa e a crueza

Da terra no chão, essa absoluta pureza
Que não acha mais lugar na realidade.
Viver ali, nesse mundo que é de verdade
Como os antepassados, com a nudeza,

A cara ao vento e um amor verdadeiro.
Seria mavioso se poluir com o cheiro
De bosta ao invés da fétida poluição,

Mas cuidado, vida tão plena e natural
Tem vantagem, mas é pintar um mal
E nego querer trocar pronto de opção.

Francisco Libânio,
29/12/13, 9:48 AM
Postar um comentário