segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

1359 - Soneto aos homens ludibriados

Cuidado com a sede ao pote, a água pode transbordar na sua cara.

Pense que você conheceu aquela gata,
Mulher perfeita, esplêndida, espetacular!
Ela, olha só, corresponde ao seu olhar
E desse olhar uma conversa se engata,

Uma reciprocidade, uma empatia inata
E dali você e ela já procuram um lugar
Para que possam o instinto extravasar
E é quando se descobre: A candidata

A ser sua senhora ou outro fato sexual
Não é ela, tem uma coisa de ele, igual
Ao seu. A quem recorrer? E na porrada?

Meu caro, a culpa é sua. Uma pergunta
E se evitaria a tal surpresinha adjunta,
Não dê a moça com extra por culpada!

Francisco Libânio,
19/12/13, 3:53 PM
Postar um comentário