sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Penitência

Todos querem diversos petiscos além dos crepes. Letras também.

Houve uma feira de livros em minha cidade. E como leitor ávido, resolvi fuçar o ambiente, ver o que estava acontecendo e qual era a do lugar. O espaço é conhecido na cidade, um galpão antigo e revitalizado. Da feira não havia muito de positivo o que se falar. Houve outras edições e eram melhores que aquela ou, pelo menos, que aquele dia. Nada contra o incentivo à literatura infantil – muito pelo contrário –, mas, malgrado o tanto de crianças no ambiente, havia adultos ali. Um  adulto, pelo menos: Eu. E eu queria livros adultos, que foram difíceis de se achar nessa feira. Um estande adulto estava repleto de novidades, os mesmos romances água-com-açúcar. Nada contra quem goste, mas eu chatamente queria ir além. E achei. Noutro estande adulto, encontrei alguns livros do meu interesse. Trouxe de lá um Borges e um García-Marquez que há muito eu procurava. Os livros eram caros, a compra foi efetuada não da forma que eu quis. Enfim, o prazer que eu deveria estar sentindo não aconteceu. A tarde não estava, em nada, boa. Pra mim, tudo já estava acabado e nem meus autores enfim encontrados salvavam o fatídico passeio. Era arrumar algo pra comer e sumir daquele lugar. Que as crianças o aproveitassem melhor que eu.
O que comer? Achei uma barraca em que se vendiam crepes suíços, que eu adoro. Era alguma salvação. Pois pedi dois. Forma estranha e estúpida de embriaguez, de tentar fazer valer apena algo que até ali não valera em nada, nem com a ótima aquisição. Dois crepes, um de chocolate e outro de massa, puro. Gosto da massa dos crepes. A senhora que me atendeu estranhou o pedido, mas fez o quitute mesmo assim. Enquanto fazia, a mulher, humilde e muito simpática, ao ver meus livros, perguntou se eu gostava de ler. Obviamente. Perguntou quem eram os autores daqueles livros e expliquei com medo de parecer pedante. Tentando não ser soberbo, o que acho ter conseguido. Foi quando a senhora me confessou:
- Também gosto muito de ler, mas tenho pouco tempo. Me agradam as leituras mais positivas. Aquelas que procuram deixar a gente bem pra cima, o senhor sabe? Até queria comprar um livro pra mim – e me apontou o lugar de onde eu tinha acabado de adquirir os meus –, mas eu não sei o que escolher. Não sei o que pedir e acho chato ficar vendo livro a livro. E o rapaz parece não ter muita paciência de ver o que eu quero.
Perguntei, então, o que ela dizia ser uma “leitura positiva”. Ela me explicou. Não sabia autores e na certa nem ligava pra nomes. Se tocasse o coração e fizesse bem podia ser o padeiro como o Vinicius de Moraes. Ela queria ler algo leve e que trouxesse algum prazer. O grande problema era: Eu não conhecia qualquer nome desses. Ela tinha me falado sobre o novo livro do Jô Soares cuja resenha já me fazia nem querer chegar perto. Não ia dar opiniões. Eu não gostei do livro. Depois ela disse não ser tão fã de romances. Então já descartava o Jô. Não gostava de histórias longas. Foi quando me veio um único conselho:
- Procure qualquer livro do padre Fábio de Melo. Já li alguma coisa dele e vou te contar: Me fez bem.
Era verdade. Embora não seja o que mais me agrade, o padre Fábio escreveu um livro que me agradou em cheio. Ela ficou interessada. Perguntou o nome desse específico e eu falei. A simpática mulher me agradeceu a sugestão e disse que ainda aquele dia iria atrás, pois “tanta gente comprando livro e lendo dá uma vontade”. Sei como é isso. Sei como é querer gastar com livros. Sei como é chegar numa feira e se desapontar porque ela não é aquilo que você, no alto da sua literatice, não espera. Mas saí de lá tendo descoberto que, para muita gente, um prêmio Nobel não vale mais que uma palavra de tranquilidade escrita por um padre, por um monge, por alguém que não ganharia nenhuma luz internacional, mas traria luz pra uma pessoa. E eu que, como o Poeta, não creio nem sou muito chegado em padres, saí da exposição como se perdoado por tanta injúria. Alguém se aprazaria daquele ambiente como eu não pude. E isso era bom.

Francisco Libânio,
23/10/13, 9:40 PM
Postar um comentário