terça-feira, 31 de dezembro de 2013

1393 - Soneto aos poetas de encomenda

escrevendo pra quem pagar melhor.

Fazer poesia é negócio dos sérios,
Exige um dom e certo sentimento,
Pede ao poeta comprometimento
Como exige dele rigorosos critérios.

É um dos mais nobres ministérios
Deixar o verso seguir algum vento
Do peito, piloto sábio e tão atento
Aos esses mais íntimos mistérios

Que só a poesia melhor conhece
E só ao poeta, esse ser, apetece
Decifrar, mas poeta que já aceita

Encomenda como fizesse um bolo,
Não é poeta, mas um grande tolo
Que não faz poesia, só conta peita.

Francisco Libânio,
29/12/13, 12:58 PM
Postar um comentário