terça-feira, 31 de dezembro de 2013

1399 - Soneto aos anti-topless

Qualé, nunca viu um peito livre antes? Nem dois! Me deixa!

Se elas põe os peitos de fora,
Assim igual a vocês, na praia
Vocês caem de pau e na vaia
Tratam-nas, mandam embora,

Na dignidade delas dão espora
E juntam os iguais da sua laia
Gritando em duvidosa gandaia
Contra a liberdade que aflora

Dos biquínis seios oprimidos,
Mas que vocês de reprimidos
Em tantas morais antiquadas

Resolvem criticar e não curtir,
Correm e outorgam a cobrir
E por suas vendas apertadas.

Francisco Libânio,
31/12/13, 12:02 PM
Postar um comentário