quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

1367 - Soneto aos marqueteiros

Todo mundo vai gostar desse baby.

Alma do negócio é a propaganda,
Então muita coisa que já é morta,
De maçaneta velha até uma torta
De limão e de puteiro à quitanda

Precisa ter vida, entrar na ciranda
Do ser. E a quem mais comporta
Tal missão de passar pela porta
Da existência e expor na varanda

Dos dias que há um amorfo vivo,
Produto zumbi e dar o bom crivo
De que sem tal treco não se vive?

Só mesmo o bom propagandista
Ou um que algum neurônio invista
E um bando de vazios bem cative.

Francisco Libânio,
22/12/13, 8:33 AM
Postar um comentário