domingo, 29 de dezembro de 2013

1380 - soneto aos grandes amigos

E vou junto e foda-se.

Unha e carne ou, grosseiro, cu e calça.
Amizade que não se troca ou se vende
E que por uma vida inteira se estende
Numa reciprocidade sincera, descalça

E pura qual Francisco de Assis, valsa
Pura, uma harmonia que só a entende
Quem vive essa amizade que só rende
Alegrias sem haver uma só coisa falsa,

Os bons amigos brigam como qualquer
Um, mandam à merda, mandam se foder,
Mas se um for a merda o outro já arruma

A mala e vai também com esse amigo
E se um for se foder, antevê o abrigo
Da foda e para ela com o amigo ruma

Francisco Libânio,
24/12/13, 5:16 PM
Postar um comentário