terça-feira, 24 de dezembro de 2013

1361 Soneto aos solitários no Natal

De boas aqui curtindo a ceia enquanto a namorada não chega.

Fim de ano e não tem uma namorada,
Um namorado, uma chance de abraço
A não ser de mãe ou pai; um espaço
Vazio e essa data que vem a chegada

De um ano novo e de novo tem nada.
Fica, assim, o peito em total estilhaço,
A mente em ideia que só vira bagaço
E no corpo físico beijando almofada.

Assim se passa o natal, sem seu par,
Sem beijo, sem sexo, quase sem lugar.
Papai Noel negou outra vez o presente...

Mas se você crê mesmo que ele trará
Uma namorada tipo uma colher de chá,
Você nunca terá uma já que é inocente.

Francisco Libânio,
20/12/13, 1:26 PM
Postar um comentário