domingo, 31 de março de 2013

870 - Soneto pseudo-revolucionário

Mas foi deposto democraticamente, com o apoio do povo. Você duvida? Melhor não...

Eles põem as forças na rua
E aí roubam gradativamente
O poder. Seguem em frente
E, no poder, sentam a pua

Aí a democracia descontinua,
Eles depuseram o presidente
Eleito pela vontade da gente
E nos porões, a porrada nua

Surra, tortura, não raro, mata
A oposição que não se retrata
Do contrário e não faz sintonia.

Eles calam a opinião dominante,
Mandam e chamam o desplante
Despótico deles de democracia.

Francisco Libânio,
31/03/13, 8:31 AM
Postar um comentário