sábado, 16 de março de 2013

815 - Soneto grudento

Não se vá, não me abandone, por favor, pois sem você vou ficar (mais) louco (ainda)!

A gente gosta de quem ama a gente,
A gente valoriza um bom sentimento
A gente toma conselho como alento
E fica feliz com o gesto comovente

De entrega. É amizade ou, realmente,
É amor. Mas cercar cada momento,
Perguntar demais, colher argumento,
Mostrar amor sendo todo insistente

Não é amor nem amizade, mas grude,
Sufocamento que, vezes, pede a rude
Resposta que pode magoar o amante.

Ruim? Sem dúvida. Mas dar liberdade
E céu para voar e se viver à vontade
É prova máxima que se ama bastante.

Francisco Libânio,
16/03/13, 7:23 PM
Postar um comentário