sexta-feira, 22 de março de 2013

832 - Soneto da namorada da noite

Se eu tivesse grana e falta de senso...

Solidão é uma merda. Instinto pede
E o bolso, seu refém, ouve e gasta.
O jornal possibilita a estranha hasta
E a licitação, movida por essa sede

De putaria, me põe contra a parede.
A mulher contratada tem bem vasta
Experiência na atividade nada casta
E mais que ela faça, jamais excede.

A noite é boa, a solidão vira história.
Gozamos ambos. Momento de glória
Essa namorada valeu cada centavo!

Foda é que o melhor, que é sem preço
Não vem no pacote. Logo me esqueço,
Mas chafurdo na solidão que depravo.

Francisco Libânio,
22/03/13, 8:33 PM
Postar um comentário