quarta-feira, 6 de março de 2013

789 - Soneto chorão

Fará falta.

Eu escrevo poesia, mas não escrevo,
Odeio gente chique, não uso sapatos,
Mas aí ao acordar e a saber dos fatos,
A um sonetinho a mais, cá me atrevo.

Porque a música, hoje, sem o relevo
Dos gênios e tão cheia de substratos
E arremedos de cantores, uns chatos
Outros neutros. Tanta merda que levo

No ouvido que meu soneto já reclama:
Homenageia o cara! E ele se inflama.
É mais fã do Chorão que eu. Nunca vi!

E quem leu chamou o cara de drogado,
Maluco e vagabundo. Não está errado,
Mas é melhor que muito certinho por aí.

Francisco Libânio,
06/03/13, 6:24 PM
Postar um comentário