segunda-feira, 18 de março de 2013

818 - Soneto da paniquete mascarada

No fim, a moça é bonita até.

E o programa Pânico, que adoro,
Resolveu jogar mais um mistério
Para sua claque. Ao seu critério,
Mostrou moça nova sob o coro

De gostosa, assovio, desaforo.
E uma gata para tirar do sério,
Mascarada, ouvia lá impropério
De molecada mais sem namoro

Doida por essa impossível foda.
O programa fez uma história toda
Quem é ela? Questão profunda...

O mistério foi feito de jeito errado,
Não devia ser o rosto mascarado,
E sim oculta, mascarar a bunda.

Francisco Libânio,
18/03/13, 9:39 AM
Postar um comentário