quinta-feira, 28 de março de 2013

859 - Soneto de feriadão

Puta balada no feriado!

Pinta um dia a mais livre e veja.
A bagunça que vira a sociedade
Atrás da suposta tranquilidade
Deixando a cidade que pregueja.

A praia, quase sempre ela almeja
E vai. Correndo da urbe se evade,
Enfrenta outros iguais de vontade
Igual. Chega ao litoral e lá troveja,

Chove. Praia já era. Apartamento,
Um dia, dois, três. E o movimento
De volta. Na estrada mais uma fila.

Chega morto. Segunda não perdoa!
Três dias fracos, mas fica de boa
A sociedade que fica mais tranquila.

Francisco Libânio,
28/03/13, 1:18 PM
Postar um comentário