domingo, 17 de março de 2013

817 - Soneto sonado

Represália.

Tente escrever um soneto quando o sono
Resolve, pleno domingo, fazer uma visita.
Nada contra o sono. Dou a ele a irrestrita
Entrada e dele ganho um polpudo abono

De mais sono. Só que quando ocasiono
A inspiração e chega o sono e a parasita,
Quero manda-lo à merda. A hora favorita,
Quando um soneto se escreve, ressono,

Coço o olho, pisco... Sono, seu filho da puta!
E o que era pra ser entrega vira disputa.
Inspiração contra a maldita vontade a vir.

E o que dá raiva. Se o venço e escrevo,
Na madrugada, hora devida, vira um frevo,
Uma batalha árdua e não consigo dormir.

Francisco Libânio,
17/03/13, 6:33 PM
Postar um comentário