segunda-feira, 11 de março de 2013

799 - Soneto de cassete

Crianças, esse era nosso pen-drive.

Porque além de se ouvir no carro,
Era baratinho e sempre permitia
Gravar uma coletânea que cabia
No momento propício. No sarro

A dois, na fossa à beira do jarro,
Da garrafa; na hora da alegria,
Cada fitinha tinha bem seu dia.
Hoje virou um negócio bizarro,

Coisa estranhíssima ao moleque
Que hoje só ouve o tal do lelek
E só ouve num MP ou no celular.

Até carro dispensou. Entrada USB
Que um porrilhão de músicas lê,
Mas cadê o saudosismo a tocar?

Francisco Libânio,
11/03/13, 9:25 AM
Postar um comentário