quinta-feira, 21 de março de 2013

830 - Soneto da pobre reinança

Impera apesar da feiura

Pega-se um soneto e o tortura
A fim de tirar dele o que preste.
Quero um soneto que refloreste
A inspiração e cuja semeadura

Encontre raízes, despeje fartura
E cresça ao alto, ao céu celeste.
Mas meu soneto nasce agreste,
Mirrado, acatingado, forma dura,

Mandacaru. Imponente, mas cru;
Verdejante, mas um mandacaru.
Não atingiu o céu qual eu queria...

Tudo bem. Sua feia imponência
Não mostra sua melhor essência,
Mas reina como um pinheiro faria.

Francisco Libânio,
21/03/13, 7:15 PM
Postar um comentário