quinta-feira, 28 de março de 2013

857 - Soneto ventríloquo

Quem tá falando é ele. Nem vem.

Há quem me leia a procura
De algo que eu queira dizer.
E isso só farei se o disser,
Meu verso por mim não jura

Nem fala. Cesse a varredura!
Não dei ao soneto tal poder.
Ao curioso, quiser de saber,
Tenha a gentil compostura

De perguntar. Em meu colo,
O soneto diz de modo solo
As bobagens de sua autoria.

E as bobagens que ele diz
São só dele e ditas de feliz.
Ele só pouco me contraria.

Francisco Libânio,
28/03/13, 10:06 AM
Postar um comentário