sábado, 9 de março de 2013

797 - Soneto do sábado à noite

Na cara!

Se do sábado à noite todo mundo espera
Alguma coisa, irmão, que espere sentado.
A balada é sagrado, o bote já está cotado,
A bebida está no gelo e já está lá a galera

Pronta. Assim sendo, toque-se à paquera!
Isso, pelo menos, tá no script, é esperado.
Chegou, abalou, deu aquela olhada ao lado
E já salivou despertando o instinto da fera.

Abordou, tomou toco e insistiu! É melhor
Quando a dificuldade brota. É outro sabor,
Mas ela é jogo duro e embolou a situação.

Tá lá. O fodão caiu, direito a tapa na cara!
Ameaça de polícia e, aí, retirada. Cena rara?
Raro é ele, o que se acha, não ficar na mão.

Francisco Libânio,
09/03/13, 10:35 PM
Postar um comentário