domingo, 23 de março de 2014

1564 - Soneto da marmota

Sério que vão continuar com essa zoeira? Então vou comer.

A marmota com os outros sofria,
O nome de esquilo desenvolvido
Era pela marmota sempre ouvido
Isso no verão, já que ela dormia

Ferrada no inverno. Dia após dia,
Até acordar sem nada ter comido.
Aí a rotina era pôr o corpo nutrido,
Ir pra gordice na mais pura alegria.

E a pastagem de verão, banquete
De desjejum, contra ele acomete
A marmota e nada, então, a abala.

Fale-se o que quiser, é esquilão,
O sono foi bom, mas a refeição
Está melhor que ouvir o fala-fala.

Francisco Libânio,
21/03/14, 12:29 PM
Postar um comentário