segunda-feira, 10 de março de 2014

1539 - Soneto do mico-leão

A elegância ruiva da floresta!

Com o tamanho diminuto,
Mas de jubinha exuberante,
O mico-leão era elegante
E no arvoredo, seu reduto,

Botava banca e, resoluto,
Dizia ser rei. Nome garante
O posto e a pinta brilhante
Asseguraria a ele o atributo.

Pôs-se isso em assembleia:
Mico-leão rei era boa ideia
Ou bobagem boa de coibir?

Concordou-se! A ele a coroa!
Mas uma águia lá o apontoa
E o pega antes dele assumir!

Francisco Libânio,
09/03/14, 2:29 PM
Postar um comentário