terça-feira, 4 de março de 2014

1528 - Soneto do porco espinho

Pergunta-se, como foi feito esse filhote?

O porco-espinho com sua carapaça
Que lhe vale esse nome a chocalha,
Cada espinho, um punhal, a navalha
A furar dentro quem quer que o faça

De alvo em qualquer intento de caça.
Um insensato se meteria em batalha
Perdida, mas o ele nem se esbugalha,
Vive sua vida tranquila e sem ameaça.

Tantos espinhos garantem a sua paz,
Mas tal carapaça dor de cabeça traz
Se lhe bate uma vontade de namorar.

Já viu um porco espinho acasalando?
Deve doer a barriga e o dito quando
Encosta. É seu predador a se vingar.

Francisco Libânio,
03/03/14, 1:14 PM
Postar um comentário