segunda-feira, 3 de março de 2014

1526 - Soneto do serpentário

Renda-se e aceite a derrota!

O serpentário, ave com cara de boba,
De boba tinha só a cara. Era durona,
Enfrentava no peito cobras e na lona
Punha as danadas. Com elas, o soba,

O rei da parada era ele. Sem oba-oba,
O serpentário era a ave mais brigona,
Fazia das serpentes rango e, glutona,
Uma não bastava. Mas de tão proba,

A ave, na luta, era honesta e correta.
E se a serpente jogava sujo, a dileta
Ave lutava na limpa e batia a trapaça

Do oponente. O estômago tinha brio,
Vencer na desonestidade dava fastio,
Por isso a dignidade durante a caça.

Francisco Libânio,
02/03/14, 3:51 PM
Postar um comentário