sábado, 8 de março de 2014

1535 - Soneto do timbu

Eu não tô... hic... Bêbado!


O timbu, o gambá, seu popular
Nome, nem fedia tanto quanto
Dizem. Era um jeito nada santo
De se defender. Só não atacar

E tudo bem. O mal era o regular
Hábito de ficar bêbado. Espanto?
Pois ele fica e não precisa tanto.
Um copo basta para embriagar

O timbu, e o bicho era chegado
Numa canjebrina. E, bom grado,
Sempre lhe ofereciam um trago.

Olha que bonitinho, bebe gambá!
Mas se via alguém comparar de lá
Um bêbado a ele, feito o estrago.

Francisco Libânio,
05/03/14, 8:43 PM
Postar um comentário