sábado, 15 de março de 2014

1549 - Soneto do joão-de-barro

Cuida da sua vida!

O joão-de-barro estava indignado
Com a fama de marido machista
Dada pelo povo. Bom projetista,
E construtor hábil ele era acusado

De prender a esposa, enciumado.
Oras, essa fofocaiada de farrista,
Gente que fala sabendo de vista
Precisa é de ir capinar um roçado!

O joão suja sua penugem de barro,
Não se mete com o alheio e é sarro
De sem-noção? Deixa ele e a patroa,

Ela não tem uma reclamação dele
E ele a deixa livre. Que se tagarele!
A família segue vivendo numa boa.

Francisco Libânio,
13/03/14, 12:33 PM
Postar um comentário