segunda-feira, 3 de março de 2014

1525 - Soneto da gazela

Vem que agora sou  faixa preta!

A gazela olhava para os lados
E tudo o que via era predador:
Leão, leopardo, hiena e só dor,
Vida estressante e só cuidados.

E atrás de analistas renomados
Que entendiam todo esse temor,
Mas na falta de conselho melhor,
Pediam instantes mais agrupados,

Confiar em sua espécie. Simbiose?
Até ia bem contra alguma neurose,
Mas no salva-quem-pode, viria mal.

E cansada de viver cheia de medo,
A gazela, pra enfrentar esse azedo
Dia-a-dia, aprendeu uma arte marcial.

Francisco Libânio,
01/03/14, 3:16 PM
Postar um comentário