segunda-feira, 17 de março de 2014

1553 - Soneto do lobo guará

Desfilando.

A imponência no caminhar
Dava ao guará a elegância
Única e sem discordância:
Ele era um bicho peculiar.

Bonito, sim, e sem a alvar
Soberba e a tal arrogância
Dos belos. Era petulância,
Quase, tamanho bem-tratar

Além da finesse, da classe.
E havia até quem ousasse
Denegrir toda essa altivez.

Coisa de fresco, e a crina?
O guará nem aí. Um opina,
Um xinga. É a inveja da vez.

Francisco Libânio,
14/03/14, 8:49 PM
Postar um comentário