sexta-feira, 22 de novembro de 2013

1298 - Soneto pontual

Nem sempre dá certo...

Acabei um soneto às dez horas,
Pontualmente, nada combinado.
O ponto e o minuto arredondado
Coincidiram em paz, sem moras,

O mal das igualdades criadoras
É querer repetir esse tal achado.
Pôr relógio e soneto lado a lado,
Malditas paranoias interventoras

Na criação e no tempo de criar.
Cada soneto tem o justo lugar
No tempo e só a este pertence.

Mas este soneto, daquele irmão,
Jogará pela janela a perfeição
E a esse perfeccionismo vence.

Francisco Libânio,
17/11/13, 10:24 AM
Postar um comentário