quinta-feira, 7 de novembro de 2013

1269 - Soneto atravessado

Como não gostar?

Querer a mulher mais perfeita,
Até o homem mais tonto quer,
Pega a esse tonto esclarecer
“Perfeita”. Descrição bem feita

Nunca bate ou pouco ajeita
Uma e a outra. Raro o poder
De construir a exata mulher,
Acima de qualquer suspeita.

A mulher que tenho por ideal
É negra de ares de intelectual
E seu corpo tem muita fartura.

Descrevo isso e um já me cala!
Preta e gorda? Cara, tu é mala!
Assim a discussão vã perdura...

Francisco Libânio,
07/11/13, 8:10 AM
Postar um comentário