domingo, 3 de novembro de 2013

1261 - Soneto pós-churrasqueado

Depois de uma dessas,  o que mais querer?

Que uma sesta cai bem, eu já disse.
Mas o que é bom fica ainda melhor
Se o que a antecede é o resplendor
De uma bela carne à minha gulodice.

Não deixo que nada se desperdice,
O assado me revigora com o sabor
E a tonalidade com sangue na cor.
Perdoe-me o vegan e sua crendice

De crueldade com outros animais,
Mas se rola um churrasco é mais
Que eu quero comer e mais sesta

Quero curtir. Pois não há a delícia
Boa como tal violência alimentícia
Que será feita enquanto há fresta.

Francisco Libânio,
03/11/13, 3:01 PM
Postar um comentário