sexta-feira, 15 de novembro de 2013

1283 - Soneto a agregar valor

Oi, mãe, tô no blogue!

O que agrega valor ao camarote,
Ao sexo, à sociedade e à vida
Não é a conta bancária fornida
Nem uma Ferrari a compor dote

Ou chegar na noite abrindo o pote,
Isso dá um toque, leve polida
Na vaidade do cara, já lambida,
Enquanto ele, mero frangote,

Que vai dançar sozinho na pista
Achando tudo isso a conquista
Máxima. Não agrega algum valor.

Agrega mais dar um bom tabefe
Pro sujeito deixar de ser o blefe
E o tal camarote dele ser melhor.

Francisco Libânio,
12/11/13, 9:21 AM
Postar um comentário