quarta-feira, 20 de novembro de 2013

1294 - Soneto injustiçado pela Justiça

Não nos calarão.

Ver quem foi herói na porrada,
Tanto dando quanto tomando,
Sendo julgado por um nefando
Colegiado que não sabe nada

E condena com festa exaltada
Pela claque soa tal desmando
Que tal a claque qual o bando
Mereciam uma boa surra cada.

Caso houvesse algum bandido
Entre os réus, justo teria sido,
Mas crime sem prova? Como?

Infelizmente, a Justiça é injusta,
Cada ministro ali barato custa
E fazem um covil aquele domo.

Francisco Libânio,
15/11/13, 8:47 PM
Postar um comentário